Notícia | IBSP

IBSP participa da Aliança para o Parto Seguro e Respeitoso

Iniciativa promovida pela Sobrasp visa unir o setor de saúde para a melhor assistência materna e neonatal

O Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP) está participando ativamente da Aliança para o Parto Seguro e Respeitoso. Promovida pela Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp), a iniciativa reúne cerca de 50 entidades que, juntas, fortalecem o debate sobre a importância da criação de ações focadas na redução da mortalidade materna e neonatal, um dos graves problemas de saúde pública do país.

A ação atende ao chamado da Organização Mundial da Saúde (OMS) que definiu que o tema de 2021 para o Dia Mundial da Segurança do Paciente – comemorado em 17 de setembro – seria Cuidado Materno e Neonatal Seguro. Essa definição ocorreu devido a números bastante alarmantes: segundo a entidade, 830 mulheres e 6.700 recém-nascidos morrem todos os dias, muitas vezes por causas evitáveis.

“Os cuidados em saúde começam com o início de uma nova vida e trazer segurança para as gestantes e para os recém-nascidos não é apenas um ato que visa a qualidade da assistência em um momento crucial, mas também um ato de amor e valorização da vida”, diz Lucas Zambon, diretor científico do IBSP.

Muitas das complicações na gestação, durante e após o parto que levam milhares de mulheres todos os dias à morte podem ser prevenidas ou tratadas. Entre as principais causas de óbitos maternos, também segundo a OMS, estão sangramentos e hemorragias, infecções, pressão alta (pré-eclâmpsia e eclampsia), complicações no momento do parto e aborto inseguro. Para melhorar esse cenário é preciso que todos os envolvidos no ciclo de cuidado dessas pacientes fortaleçam a cultura de segurança.

“Com a Aliança, conseguimos unir agências governamentais, empresas privadas, projetos e iniciativas, além de profissionais da saúde, para criarmos as respostas necessárias para resolver a alta mortalidade materna e neonatal, um dos problemas de saúde pública mais graves do Brasil”, comenta Victor Grabois, presidente Sobrasp.

O assunto tornou-se ainda mais urgente por conta da pandemia de covid-19. De acordo com levantamento do Observatório Obstétrico Brasileiro, em 2021 a média de mortes maternas em decorrência da infecção pelo novo coronavírus aumentou: no ano passado, a plataforma computou cerca de 10 óbitos por semana; agora já são 38 mortes a cada sete dias. “Temos uma situação trágica e para responder a um problema que não é recente, mas que se tornou mais agudo por conta da covid-19, nos juntamos em torno da Aliança”, complementa Grabois.

Para contribuir com o debate, o IBSP colocou, no ar, um hotsite especial sobre o assunto. Além disso, vem compartilhando em suas redes sociais os conteúdos construídos pela Aliança e publica em seu portal matérias que reúnem as evidências mais recentes para ampliar a segurança tanto da mãe quanto do bebê desde o início da gestação até as primeiras horas após o parto. Clique AQUI para conferir.

 

Leia também