NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Aumento da gonorreia resistente aos antibióticos pede novos medicamentos, sinaliza OMS

Aumento da gonorreia resistente aos antibióticos pede novos medicamentos, sinaliza OMS
0
(0)

As cefalosporinas de amplo espectro são na maioria dos países os únicos antibióticos que continuam sendo eficazes para tratar a gonorreia                                               

Dados provenientes de 77 países mostram que a resistência aos antibióticos está dificultando muito, e às vezes até impossibilitando, o tratamento da gonorreia, uma infecção transmitida sexualmente (DST) comum.

“A bactéria que causa gonorreia (gonococo) é particularmente inteligente. Cada vez que usamos uma nova classe de antibióticos para tratar este tipo de infecção, as bactérias evoluem e passam a resistir a eles”, diz a Dra. Teodora Wi, médica do departamento de Reprodução Humanada da Organização Mundial da Saúde – OMS.

OMS apresenta nova diretriz para tratamento de infecções sexualmente transmissíveis

Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano

Localização do dispenser de álcool no meio do lobby do hospital aumenta uso por visitantes em 528%

Segundo a OMS, a resistência aos antibióticos mais antigos e baratos é generalizada. Em alguns países, sobretudo nos desenvolvidos, onde a vigilância é melhor, estão sendo detectados casos intratáveis com todos os antibióticos conhecidos.

“Esses casos podem representar apenas a ponta do iceberg, já que os países de baixa renda, onde a gonorreia é mais frequente, carecem de sistema para diagnosticar e notificar as infecções intratáveis”, afirma a Dra. Teodora.

Segundo as estimativas, a cada ano há 78 milhões de casos de gonorreia. Os gonococos causam infecção na genitália, reto e garganta. As suas complicações afetam de forma desproporcional as mulheres, podendo causar inflamação pélvica, gravidez ectópica ou tubária, infertilidade e maior risco de contrair infecção por HIV.

A diminuição do uso do preservativo, o aumento da urbanização e das viagens, as baixas taxas de detecção de infecção e a inadequação ou falha de tratamento são fatores que contribuem para este aumento.

Vigilância da resistência aos medicamentos
O Programa Mundial de Vigilância de Antimicrobianos para a Gonorreia (GASP) da OMS segue a evolução da gonorreia resistente aos antibióticos. Os dados de 2009 a 2014 mostram a resistência generalizada a ciprofloxacina (97% dos países relataram resistência), aumento da resistência a azitromicina (81%) e a aparição de resistência às cefalosporinas de amplo espectro, que constituem na atualidade ao último recurso terapêutico: cefixima oral e ceftriaxona injetável (66%).

Hoje, as cefalosporinas de amplo espectro são na maioria dos países os únicos antibióticos que continuam sendo eficazes para tratar a gonorreia, mas já são mais de 50 as nações que notificaram resistência a cefixima, e com menos frequência, a ceftriaxona. Em consequência disso, a OMS atualizou em 2016 as recomendações terapêuticas mundiais, aconselhando aos médicos que administrem dois antibióticos: ceftriaxona e azitromicina.

Desenvolvimento de novos antibióticos
Os novos medicamentos para gonorreia em fase de estudos são escassos, pois não é muito atrativo para a indústria, já que os tratamentos são breves, ao contrário do que ocorre com as enfermidades crônicas. Há apenas três em fase de desenvolvimento clínico: solitromicina, que está na fase três de ensaio clínico; a zoliflodacina e a gepotidacina, ambas na fase dois.

Para contornar este problema, a DNDi (Iniciativa para doenças desatendidas) e a OMS criou a Aliança Mundial para Pesquisa e Desenvolvimento de Antibióticos (GARDP), uma organização de pesquisa sem fins lucrativos com a missão de desenvolver novos tratamentos antibióticos e fomentar o uso adequado, de modo que continuem sendo eficaz o maior tempo possível.

“Uma das grandes prioridades é o desenvolvimento de novos antibióticos para gonorreia. Temos que aproveitar todas as oportunidades oferecidas pelos medicamentos existentes e pelos que estão em fase de desenvolvimento. Em curto prazo, nosso objetivo é acelerar o desenvolvimento e a introdução de pelo menos um desses antibióticos em fase de pesquisa, além de avaliar possíveis tratamentos combinados com objetivo de cuidar da saúde pública”, diz o Dr. Manica Balasegaram, diretor da GARDP.

 

Veja mais

 

1

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos