NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Cirurgia bariátrica: revisão sistemática sugere bons desfechos com poucas complicações 

Cirurgia bariátrica: revisão sistemática sugere bons desfechos com poucas complicações 
Cirurgia bariátrica: revisão sistemática sugere bons desfechos com poucas complicações
5
(1)

Após observar estudos publicados na última década, pesquisadores apontam o procedimento como aliado seguro na perda de peso corporal e melhoria de parâmetros metabólicos 

A primeira cirurgia bariátrica que se tem notícia no mundo foi realizada na década de 1950. Desde então, com o avanço da medicina e dos estudos, o procedimento foi ganhando cada vez mais segurança, tornando-se uma abordagem terapêutica importante para indivíduos com obesidade. Para entender se a cirurgia de fato é o melhor caminho para pacientes que necessitam de rápida redução de peso – até mesmo para tratar comorbidades como a diabete – uma revisão sistemática de ensaios clínicos avaliou desfechos dos últimos 10 anos.  

O objetivo do estudo foi comparar três tipos de cirurgia bariátrica (bypass gástrico, gastrectomia vertical ou sleeve e banda gástrica ajustável) com tratamentos não cirúrgicos que envolviam dieta, prática rotineira de exercícios físicos e medicamentos para redução de peso.  

Os resultados analisados envolviam perda de peso corporal, remissão da diabete e alterações nos marcadores tanto de dislipidemia quanto de hipertensão. Os eventos adversos também foram computados e avaliados. De forma geral, os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica obtiveram melhorias mais importantes dos parâmetros metabólicos, com ocorrência bastante baixa de complicações, reoperações e mortalidade. 

Resultados detalhados 

Os procedimentos cirúrgicos se mostraram mais eficazes para a perda de peso tanto no curto (até dois anos após a intervenção) quanto no longo prazo (até 10 anos após a intervenção). Nos primeiros dois anos, enquanto o bypass gerou perda de peso média de 28,4%, a gastrectomia vertical promoveu perda de 25,7% e a banda gástrica de 17%. Paralelamente, o tratamento clínico gerou perda de peso em torno de 6,7%.  

Nos anos seguintes, a perda de peso permaneceu praticamente preservada em todas as modalidades, sendo que os pacientes submetidos ao bypass tiveram redução de 25,3%, os da gastrectomia vertical de 18,6%, os da banda gástrica de 12,8% e os que vivenciaram o tratamento não cirúrgico de 5,1%. 

Quanto à remissão da diabete, os pesquisadores observaram que os pacientes submetidos à bariátrica tiveram remissão significativa, enquanto apenas um pequeno grupo de participantes submetidos ao tratamento clínico conseguiu esse feito. O bypass gerou 47% de remissão, a gastrectomia vertical 42%, a banda gástrica 25% e o tratamento medicamentoso somado a mudanças no estilo de vida apenas 5%. 

Considerando as limitações do estudo, as taxas de dislipidemia, no entanto, não apresentaram diferenças tão significativas entre os grupos cirúrgicos e clínico. O mesmo cenário para as taxas de hipertensão, já que aparentemente o impacto da cirurgia bariátrica foi modesto nos índices de pressão arterial. 

Entre as complicações, houve variação conforme o tipo de procedimento a que o paciente foi submetido, sendo que nessa análise foram comparados apenas os procedimentos bypass e gastrectomia vertical. Naqueles que passaram pelo bypass, as complicações precoces (ocorridas nos primeiros 30 dias) foram mais presentes, a uma taxa de 15%. Enquanto isso, complicações tardias ocorreram prioritariamente nos pacientes da gastrectomia vertical (57%). Reoperação foi um desfecho raro, não ultrapassando 2% em qualquer tipo de procedimento. 

Já entre eventos adversos, também houve bastante divergência nos achados. Pacientes do grupo de bypass tiveram maior incidência de obstrução intestinal e de síndrome de dumping; enquanto pacientes de gastrectomia vertical, de doença do refluxo gastroesofágico. Nos estudos analisados, houve somente uma morte em decorrência da cirurgia bariátrica. 

Referência

(1) Outcomes and Adverse Events After Bariatric Surgery: An Updated Systematic Review and Meta-analysis, 2013–2023 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos