NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Confira as novas diretrizes para clampeamento do cordão umbilical do ACOG

Confira as novas diretrizes para clampeamento do cordão umbilical do ACOG
0
(0)

Esperar de 30 a 60 segundos antes de realizar o corte faz parte do novo guideline publicado pelo American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) 

Não é de hoje que alguns estudos sinalizavam que aguardar alguns minutos, até que o sangue do cordão parasse de pulsar, antes de realizar o corte do cordão umbilical pudesse colaborar para a saúde do bebê no futuro. Isso porque o volume de sangue adicional obtido com a prática pode ser benéficos para o desenvolvimento dos recém-nascidos, dos prematuros aos a termo, nascidos após a 39ª semana de gestação.

Benefícios ao bebê, sem riscos para a mãe

As novas diretrizes do American College of Obstetricians and Gynecologists dizem que, em lactentes a termo, o bloqueio tardio do cordão umbilical aumenta os níveis de hemoglobina do recém-nascido e melhora as reservas de ferro nos primeiros meses de vida, o que pode ter um efeito favorável nos resultados do desenvolvimento. Por outro lado, há um pequeno aumento na icterícia, que requer fototerapia neste grupo de crianças.

“Consequentemente, os prestadores de cuidados de saúde que adotam o bloqueio do cordão umbilical tardio em lactentes a termo devem assegurar que existam mecanismos para monitorar e tratar a icterícia neonatal”, afirma a publicação do ACOG.

Em prematuros, o bloqueio tardio do cordão umbilical está associado a benefícios neonatais significativos, incluindo melhor circulação de transição, melhor estabelecimento do volume de glóbulos vermelhos, diminuição da necessidade de transfusão de sangue e menor incidência de enterocolite necrosante e hemorragia intraventricular.

O bloqueio tardio do cordão umbilical não foi associado a um risco aumentado de hemorragia pós-parto ou aumento da perda sanguínea ao parto, nem foi associado a uma diferença nos níveis de hemoglobina pós-parto ou à necessidade de transfusão sanguínea.

Diretriz

Portanto, baseado nos benefícios para a maioria dos recém-nascidos, o American College of Obstetricians and Gynecologists agora recomenda um atraso no aperto do cordão umbilical de bebês a termo e prematuros durante pelo menos 30-60 segundos após o nascimento.

Em caso de gestações múltiplas, não há evidência suficiente para recomendar ou barrar o bloqueio retardado do cordão umbilical, pois há pouca informação em relação à sua segurança ou eficácia neste grupo.

Recomendações

  • Em lactentes a termo, o bloqueio retardado do cordão umbilical aumenta os níveis de hemoglobina ao nascer e melhora as reservas de ferro nos primeiros meses de vida, o que pode ter um efeito favorável nos resultados do desenvolvimento.
  • O bloqueio tardio do cordão umbilical está associado a benefícios neonatais significativos em recém-nascidos pré-termo, incluindo circulação de transição melhorada, melhor estabelecimento do volume de glóbulos vermelhos, menor necessidade de transfusão de sangue e menor incidência de enterocolite necrotizante e hemorragia intraventricular.
  • Dados os benefícios para a maioria dos recém-nascidos e concordante com outras organizações profissionais, o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas agora recomenda um atraso no clampeamento do cordão umbilical em bebês a termo e prematuros vigorosos durante pelo menos 30-60 segundos após o nascimento.
  • Há um pequeno aumento na incidência de icterícia que requer fototerapia em lactentes a termo que passam por clampeamento retardado do cordão umbilical. Conseqüentemente, obstetras e outros prestadores de cuidados obstétricos que adotam o bloqueio do cordão umbilical em bebês a termo devem assegurar que existam mecanismos para monitorar e tratar a icterícia neonatal.
  • O bloqueio retardado do cordão umbilical não aumenta o risco de hemorragia pós-parto.

Discussão técnica

O bloqueio retardado do cordão umbilical é um processo direto que permite que a transfusão placentária de sangue oxigenado quente flua passivamente para o recém-nascido. A posição do recém-nascido durante o bloqueio do cordão umbilical atrasado tem sido geralmente no nível ou abaixo do nível da placenta, com base no pressuposto de que a gravidade facilita a transfusão placentária.

No entanto, um estudo recente de bebês saudáveis a termo nascidos por parto vaginal descobriu que os recém-nascidos colocados no abdômen materno ou peito não tiveram um volume de transfusão menor em comparação com os bebés mantidos ao nível do introito. Isto sugere que o cuidado imediato pele-a-pele é apropriado enquanto se aguarda o pinçamento do cordão umbilical. No caso de cesariana, o recém-nascido pode ser colocado no abdômen materno ou nas pernas ou mantido pelo cirurgião ou assistente próximo ao nível da placenta até que o cordão umbilical seja clampeado.

Durante o clampeamento tardio do cordão umbilical, deve ser iniciado o cuidado precoce do recém-nascido, incluindo a secagem e estimulação para a primeira respiração ou choro e manter a temperatura normal com o contato pele a pele e cobrindo o bebê com linho seco. As secreções devem ser limpas apenas se forem abundantes ou parecem estar obstruindo a via aérea. Se o mecônio estiver presente e o bebê for vigoroso ao nascer, os planos para o bloqueio retardado do cordão umbilical podem continuar. Um timer pode ser útil para monitorar o tempo decorrido e facilitar um intervalo de pelo menos 30-60 segundos entre o parto e o clampe no cordão.

O bloqueio tardio do cordão umbilical não deve interferir com o manejo ativo do terceiro estágio do trabalho de parto, incluindo o uso de agentes uterotônicos após o parto do recém-nascido para minimizar o sangramento materno. Se a circulação placentária não estiver intacta, como no caso de placentação anormal, desprendimento placentário ou avulsão do cordão umbilical, o clampamento imediato do cordão é apropriado. Similarmente, a instabilidade hemodinâmica materna ou a necessidade de ressuscitação imediata do recém-nascido no aquecedor seria uma indicação para o clampamento imediato do cordão umbilical.

A comunicação com o médico neonatal é essencial

A capacidade de realizar bloqueio retardado do cordão umbilical pode variar entre instituições e configurações. Portanto, decisões nessas circunstâncias são mais bem feitas pela equipe que cuida da díade mãe-bebê. Existem várias situações nas quais os dados são limitados e as decisões sobre o momento do bloqueio do cordão umbilical devem ser individualizadas.

Por exemplo, em casos de restrição de crescimento fetal com estudos anormais do Doppler da artéria umbilical ou outras situações em que a perfusão uteroplacentária ou fluxo do cordão umbilical pode estar comprometido, uma discussão entre equipes neonatais e obstétricas pode ajudar a pesar os riscos e benefícios relativos.

Efeito para bancos de sangue de cordão umbilical

O efeito do bloqueio do cordão umbilical atrasado interfere significativamente na coleta de sangue do cordão umbilical para bancos de sangue. Um estudo apontou que o atraso do clampeamento do cordão umbilical diminuiu significativamente o volume e a contagem total de células nucleadas das doações de sangue do cordão umbilical.

Nos casos em que um paciente e sua família estão planejando a doação de sangue do cordão umbilical, o clampeamento imediato do cordão pode aumentar o rendimento do sangue do cordão umbilical obtido.

No entanto, na ausência de doação dirigida, os benefícios para a criança de transfusão de volume sanguíneo adicional ao nascer provavelmente excedem os benefícios de bancar esse volume para possível uso futuro. Famílias que estão considerando a banca de sangue do cordão umbilical devem ser aconselhadas em conformidade.

Veja mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos