NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Controle de infecção em esfera multiprofissional deve ser prioridade em cenário crítico de resistência antibiótica

Controle de infecção em esfera multiprofissional deve ser prioridade em cenário crítico de resistência antibiótica
0
(0)

Infectologista conta como o profissional de saúde pode ajudar para contribuir neste cenário crítico de resistência antibiótica

O alerta é geral. Cada vez mais cresce a resistência antimicrobiana, em especial, a relacionada ao uso de antibióticos. Isso significa que todo profissional de saúde, seja médico do PS, pediatra, geriatra, enfermeiros e farmacêuticos clínicos e hospitalares, precisa entrar nessa luta.

Para a infectologista Sylvia Lemos Hinrichsen, médica especializada em biossegurança e controle de Infecções-Risco Sanitário Hospitalar, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o primeiro passo é pensar no problema com uma equipe multidisciplinar e, então, buscar soluções. “Para contribuir para o controle de infecções, é preciso seguir as recomendações de uso de antimicrobianos segundo microbiota (epidemiologia hospitalar), que muda a cada setor/instituição, além de estar atento às recomendações do controle de infecções relacionadas aos protocolos de uso empírico de antibióticos construídos segundo microbiota/evidências locais e de biossegurança/riscos”, comenta a Dra. Sylvia.

Neste sentido, o setor de controle de infecções deverá trabalhar apoiado a um laboratório de microbiologia que seja tecnicamente certificado e que dê resultados sistemáticos com agilidade. “A microbiologia deverá ser uma prioridade institucional para que existam relatórios mensais sobre a epidemiologia hospitalar”, diz a infectologista.

Relatórios importantes
 Tipos de microrganismos isolados;
 Taxa de positividade de culturas (em especial hemoculturas);
 Sítio de coleta de culturas/espécime;
 Local onde a cultura foi coletada;
 Perfil de sensibilidade/resistência dos antimicrobianos testados;
 Fornecimento da concentração mínima inibitória de antibióticos (mic), entre outros.

Programa de Stewardship

Com isso, o programa de controle de infecções, além de ações de um programa de higienização das mãos, deverá ser implementado um programa de Stewardship para o gerenciamento do uso racional de antimicrobianos.

A política institucional que deverá estar focada nos seguintes objetivos:
1. Implementação e treinamentos de medidas de biossegurança para equipes multidisciplinares, priorizando medidas de prevenção de infecções cruzadas e outras através da sistematização de precauções (padrão/respiratória/aerossóis/contato), além de isolamentos, limpeza e desinfecção em todas as áreas assistenciais e terceiros (especialmente serviços de nutrição, laboratório, imagem, lavanderia, rouparia, banco de sangue, entre outros), monitorando falhas que possam estar relacionadas a surtos infecciosos;
2. Implementação e treinamentos dos Bundles do IHI (Institut of Health Improvement) na prevenção de processos infecciosos relacionados a cateter, pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV), infecção do trato urinário em unidades de terapia intensiva (UTIs);
3. Monitoramento e treinamento do descarte de resíduos gerados pela instituição/segregação/destino final;
4. Monitoramento e treinamento de infecção de sítio cirúrgico (antibioticoprofilaxia e prevenção de tromboembolismo em pacientes submetidos às artroplastias (joelho/quadril) e outros processos cirúrgicos do tipo limpos.

Educação

Também deverá fazer parte das ações do programa Stewardship o contínuo processo de educação e treinamentos para a higienização das mãos e sua importância no controle de infecções. “O monitoramento e a implementação de ações que aumentem a adesão à higienização das mãos pelos profissionais de saúde, pacientes e familiares é de suma importância, assim como o monitoramento dos locais para insumos relacionados à higienização das mãos (água e sabão) e álcool gel”, diz Silvia. “Para completar, é preciso monitorar as almotolias, coletores de urina e fezes, além do manuseio destes por profissionais de saúde, incluindo acondicionamento e controle de validade”, completa a infectologista.

Para o uso racional de antimicrobianos deverá ser elaborado um protocolo empírico, segundo histórico epidemiológico hospitalar (microbiota local), tipo de infecções (comunitária e ou relacionada à assistência à saúde procedentes de hospitais e ou home care/asilos) e perfil de sensibilidade dos microrganismos isolados através das diversas culturas realizadas pelos pacientes (vigilância e diagnósticas). “Este protocolo empírico deverá ter a participação da equipe de controle de infecções e do laboratório de apoio microbiológico, junto às equipes prescritoras de antimicrobianos, que, após validações, passarão a ser utilizados como referência para o início, escalonamentos ou términos de antibióticos, nos diversos setores do hospital, em particular, nas UTIs”, finaliza a Dra. Sylvia Hinrichsen.

Veja mais

 

1631658312

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos