NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

5 casos impressionantes de cirurgias feitas do lado errado

5 casos impressionantes de cirurgias feitas do lado errado
4.5
(2)

Cirurgias do Lado Errado

Erros médicos ocorrem. E, principalmente, em ambiente cirúrgico, representando um alto risco para a segurança dos pacientes. Historicamente, há casos impressionantes de procedimentos cirúrgicos que foram realizados no lado errado do corpo, levando desde a amputação até a morte. “É necessário reconhecer sempre que o erro pode acontecer”, diz Raquel Marcondes Bussolotti, gerente médica do Centro Cirurgico do A.C.Camargo Cancer Center.

Da identificação à contagem de material: checklist evita erro em cirurgia

“Em caso de sepse, tempo é função orgânica”, diz Luciano Azevedo

“Úlcera por pressão é indicador de qualidade da assistência”, diz enfermeira

Lado errado do cérebro

O Rhode Island Hospital, que fica no condado norte-americano de Providence, no período de foi cena de três cirurgias realizadas do lado errado do cérebro dos pacientes. Entre novembro de 2007 e fevereiro de 2008 três casos chocaram: uma operação deu errado após um neurocirurgião experiente insistir com a enfermeira que ele sabia qual lado deveria operar, mas entendeu errado. Em outro caso, um médico em treinamento cortou o lado errado da cabeça de um paciente após pular o ckecklist pré-operatório. Em um terceiro caso, o chefe residente começou uma cirurgia no cérebro no lugar errado, e a enfermeira não o impediu.

Perna errada é amputada

Willie King precisou amputar uma de suas pernas em 1995, na Flórida, nos EUA, porém uma sucessão de erros levou a perna errada a ser preparada para cirurgia e os cirurgiões perceberam o terrível engano no meio do procedimento, quando já era tarde demais.

Como resultado a licença médica do cirurgião foi suspensa por seis meses e ele foi multado em U$ 10 mil. O University Community Hospital de Tampa, local da cirurgia, pagou U$ 900 mil para Willie e o próprio cirurgião pagou mais U$ 250 mil.

Testículo removido

Em 20017, o veterano da Força Aérea dos Estados Unidos Benjamin Houghton, então com 47 anos, agendou uma cirurgia para retirada do testículo esquerdo por suspeita células cancerígenas. Porém, quando foi realizar o procedimento no est Los Angeles VA Medical ficou surpreso com o resultado: removeram o testículo direito. “No começo eu pensei que era uma piada”, disse Houghton ao Los Angeles Times. “Então eu fiquei chocado. Eu disse a eles, ‘O eu faço agora?’”, completou.

O Dr. Dean Norman, do hospital, pediu desculpas a Houghton e a esposa dele formalmente: “Estamos fazendo todos os esforços que podemos para cuidar de Mr. Houghton, mas está em litígio, e isso é tudo que posso dizer você”, disse ele. O hospital mudou práticas, como resultado do caso, acrescentou. Quando Benjamin processou o VA Medical Center conseguiu apenas U$ 200 mil por seu testículo perdido.

Rim saudável é removido

Médicos do Methodist Hospital, em Minnesota, nos EUA, admitiram que removeram o rim errado de um paciente que havia entrado no centro cirúrgico por causa de um tumor maligno. “É um erro trágico da nossa parte e assumimos nossa responsabilidade por ele”, disse o Dr. Samuel Carlson, médico chefe do Park Nicollet Health Services, responsável pela administração do hospital.

A descoberta de que foi removido o rim errado ocorreu no dia seguinte quando o patologista examinou o material e não encontrou qualquer evidência de tumor maligno.

Caso recente no Brasil

A brasileira Verônica Cristina Barros, de 31 anos, chegou ao pronto atendimento do Hospital Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, com traumatismo craniano em outubro de 2014. Como havia caído no banheiro e batido a cabeça no vaso sanitário, precisava de uma cirurgia do lado esquerdo da cabeça, mas operaram o direito. O erro foi fatal, já que no segundo procedimento cirúrgico ela não resistiu e faleceu.

Errar é humano?

Todos esses erros só todos os processos, checklists e cuidados e precauções podem ser frustradas pelo elemento humano, que envolve ego e excesso de confiança por parte dos cirurgiões, e timidez por parte dos enfermeiros com muito medo de falar quando veem algo prestes a dar errado.

 

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 2

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!