NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Check-up impacta diretamente na qualidade de vida

Check-up impacta diretamente na qualidade de vida
0
(0)

Especial IBSP – CHECK-UP

Quando um paciente procura o médico para fazer um check-up, normalmente, está buscando formas de rastrear alguma doença que ainda não tenha manifestado sintomas. A ideia é conseguir um diagnóstico para realizar o tratamento adequado e, desta forma, aumentar a qualidade e expectativa de vida. Mas será que, na prática, é possível conseguir o resultado desejado?

“O diagnóstico precoce é apenas a maneira de se atingir o objetivo principal dos rastreamentos, que é mudar o curso natural daquela suposta doença, fazendo com que a pessoa tenha um melhor prognóstico do que teria se esperasse a doença se manifestar clinicamente para descobri-la, ou seja, descobrir alguma doença precocemente, tratá-la precocemente e, portanto, fazer esta pessoa viver mais e melhor do que se tivesse esperado a doença ‘aparecer naturalmente’”, define Dr. Rodrigo Olmos, Diretor Clínico do Hospital Universitário da USP.

Quais os mitos que ainda existem quanto ao diagnóstico e tratamento de câncer? 

Quais os diferentes eventos adversos que ocorrem em cesárea e parto normal?

Como evitar cirurgias do lado errado?

Apesar de o diagnóstico precoce ser uma das formas de se atingir o objetivo principal – o de ter uma qualidade de vida e prognóstico desejado – nem sempre ele é eficaz. “Por exemplo, de que adianta eu fazer um diagnóstico precoce de um problema para o qual não existe nenhum tipo de tratamento? De que adianta eu fazer diagnóstico precoce de um problema cujo tratamento nesta fase (precoce) não tem diferença (tanto em termos de custo, efeitos colaterais, duração e eficácia) do tratamento aplicado numa fase mais tardia, quando a pessoa sentir algum incômodo (sintomas) e procurar o médico por isto? Ou, ao contrário, de que adianta eu fazer diagnóstico precoce de um problema que é incurável? Só há sentido em se fazer diagnóstico precoce se houver uma razoável segurança de que em se fazendo este diagnóstico e em se tratando o paciente nesta fase, seu prognóstico será melhor”, explica o profissional.

Mesmo o check-up não sendo tão eficaz quanto sua fama, o médico enumera algumas das doenças que o rastreamento tem condições de melhorar o prognóstico e reduzir a possibilidade de morte. “O câncer de colo de útero (Papanicolau), o câncer de cólon (pesquisa de sangue oculto nas fezes), o câncer de mama (mamografia) – neste caso com várias ressalvas sobre a idade de início, a periodicidade e a idade de término e os possíveis danos – , o câncer de pulmão em tabagistas pesados (também com ressalvas) e alguns exames para detectar fatores de risco para doença cardiovascular (colesterol e glicemia de jejum), mas não é indicado a todos os pacientes. Fora estes, e com críticas e ressalvas, nenhum outro exame é capaz de melhorar qualquer coisa na vida das pessoas”, acredita Olmos.

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!