NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Dicas para enfermagem atuar na correta identificação do paciente

Dicas para enfermagem atuar na correta identificação do paciente
5
(1)

Identificação do paciente é importante para prevenção de erros e complicações

A identificação de pacientes é uma daquelas ações simples, básicas, mas que podem evitar problemas complexos. Não é à toa que essa prática é um dos pilares principais quando o assunto é segurança do paciente, pois, quando feita de maneira adequada, é capaz de prevenir um verdadeiro efeito em cadeia que pode gerar eventos adversos graves.

O programa da Agência Nacional de Saúde (Anvisa) e Ministério da Saúde lançado em 2013 com objetivo de prevenir e reduzir a incidência de eventos adversos implementou seis protocolos de segurança do paciente e, entre eles, a identificação do paciente.

Saiba as diferenças entre segurança na aviação e segurança do paciente

Conheça normas e portarias que hospitais não cumprem adequadamente

Como e quando fazer profilaxia de TEV em TCE?

“A identificação do paciente é importante para prevenção de erros e complicações decorrentes da entrega de procedimentos, resultados de exames, medicação, dentre outros, ao paciente errado”, define Márcia Martins, diretora técnica da divisão de enfermagem do Hospital das Clínicas. “Além disso, norteia a equipe nos procedimentos a serem realizados para a conferência da identificação do paciente em todas as etapas do cuidado”, completa.

A prática visa estabelecer uma rotina sistemática, que proporcione segurança aos profissionais da área médica e pacientes, e minimize a possibilidade de qualquer tipo de falha. Confira o protocolo:

  1. Defina como será a identificação do paciente na sua instituição (etiqueta, pulseira ou outro);
  2. Descreva o protocolo de forma clara e direta;
  3. Divulgue o protocolo para que todos os profissionais tenham acesso;
  4. Treine todo os profissionais da instituição, para que se adaptem ao sistema.

Depois de realizadas as etapas básicas de implementação, há formas de aperfeiçoar a prática de identificação. Veja as dicas da profissional:

  1. Apresente os dados da literatura mostrando as consequências aos pacientes quando não é realizada a conferencia da identificação;
  2. Utilize para as pulseiras de identificação material impermeável, durável, de cor branca e escrita em cor preta;
  3. Padronize os dados de identificação do paciente em todos os formulários, igualmente aos da pulseira;
  4. Realize auditorias periódicas para monitorar a utilização das pulseiras nos pacientes;
  5. E envolva o paciente, explique a importância do uso da pulseira bem como dos dados se manterem legíveis.

 

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!