NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Falta qualidade na assistência? Investimento na saúde aponta déficit em 2016

Falta qualidade na assistência? Investimento na saúde aponta déficit em 2016
0
(0)

Conselho Federal critica gestão de recursos do SUS e aponta R$ 59 bi não aplicados. Para Carlos Vita (foto), a repercussão destes números na prática assistencial à saúde ajuda a entender o significado da gestão ineficaz

 

Investimento na Saúde será deficitário em 2016

A previsão de investimentos em Saúde em 2016 iniciará com um déficit de R$ 2,5 bilhões em relação ao ano passado, conforme a Lei Orçamentária Anual (LOA) sancionada em janeiro. Com isso, o Ministério da Saúde terá previsão de R$ 118,5 bilhões em investimentos, 2% a menos, o que impacta diretamente o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Apesar do montante de dinheiro divulgado como meta de investimento, a gestão desses recursos é duramente criticada pelo Conselho Federal de Medicina que, em seu site oficial, aponta que os valores declarados como obrigatórios não chegam a ser efetivamente gastos com melhorias. Informações do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) dão conta de que, no ano passado, por exemplo, R$ 15 bilhões não foram investidos.

IBSP realizará simpósio de segurança do paciente com palestrantes da Mayo Clinic

Gestão hospitalar envolvida evita que processo de acreditação seja um mero selo

Profissional de saúde passa a ter obrigatoriedade de notificar Zika

“A repercussão destes números na prática assistencial à saúde ajuda a entender o significado da gestão ineficaz. É origem de sucessivas denúncias da falta de estrutura, de ausência de leitos e de acesso restrito a medicamentos e tratamentos importantes, como hemodiálise, radioterapia e quimioterapia, que se materializam nas formas de invalidez e mortes”, afirma Carlos Vita, presidente do CFM.

Direito do cidadão

“Ver um problema de gestão global interferir tão gravemente em direitos básicos dos cidadãos, como vida e saúde, desestimula profissionais e cria um ambiente desfavorável também para pacientes nas unidades de saúde, comprometendo a segurança e qualidade na assistência”, afirma Dr. Lucas Zambon, diretor científico do IBSP – Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Segundo dados apurados pelo CFM, entre 2003 e 2015, quase 60% dos recursos autorizados para obras e aquisições de equipamentos não foram utilizados, o que chegaria a um montante de R$ 59,5 bilhões corrigidos pela inflação. No mesmo período, o valor total autorizado para ser gasto em saúde foi de R$ 1,2 trilhão, mas R$ 136,7 bilhões não foram aplicados.

“O SUS tem conquistas que devem ser mantidas e ampliadas a todo custo. O desequilíbrio econômico, causado em grande parte pela corrupção, e as exigências de caixa, contábeis e fiscais, não podem determinar as decisões numa esfera tão sensível, diretamente ligada a valores absolutos, como a vida e a saúde. Esperamos que os gestores públicos reconheçam suas falhas e as corrijam, com reverência às responsabilidades assumidas perante a sociedade”, opina o presidente do CFM.

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!