NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Saiba como evitar cirurgias do lado errado

Saiba como evitar cirurgias do lado errado
0
(0)

Cirurgias do lado errado

Casos de pessoas que foram submetidas a cirurgias do lado errado do corpo não são exatamente uma raridade. Elas chegam aos noticiários de tempos em tempos com uma carga de julgamentos da opinião pública, que passa a desacreditar da competência e empenho de toda uma equipe médica.

“Existem diversos fatores envolvidos nesse tipo de erro, como problemas estruturais, com treinamento de pessoas e processuais”, explica a anestesiologista Raquel Marcondes Bussolotti, gerente médica do Centro Cirurgico do A.C.Camargo Cancer Center.

Mas o que mais influencia nesse tipo de evento costuma ser a falta de esclarecimento sobre a importância de se discutir a segurança do paciente. Transformar o assunto em um tabu acaba impedindo que medidas sejam tomadas para que novos erros não aconteçam. “É necessário reconhecer sempre que o erro pode acontecer, que existem fatores que predispões ao erro e que é possível melhorar processos para mitigar riscos por meio de ferramentas e do envolvendo integrado da equipe multidisciplinar”, diz Raquel.

Veja 5 casos impressionantes de cirurgias feitas do lado errado

Saiba o momento correto de suspender antibiótico profilático conforme diretrizes atuais

Reserve na agenda: 7 e 8 de abril de 2016 – Evento Internacional do IBSP

Por conta disso, até os dados para contabilizar e mensurar o problema são escassos e imprecisos. “No Brasil não ocorre divulgação sistêmica de dados relacionados a esse tema. Temos um gap de subnotificação de eventos no Brasil e no mundo. A notificação permitiria avaliar de forma geral os danos causados aos pacientes, os prejuízos para as Instituições e também para a Saúde Pública”, opina.

Checar para evitar

Esses eventos adversos podem cair drasticamente em hospitais com sistemas rigorosos de checagem e com equipe bem treinada. “Cada serviço deve avaliar e mapear o seu processo de atendimento ao paciente cirúrgico, encontrar quais são os principais pontos de risco e implementar a lista de verificação de segurança recomendada pela OMS”, diz a médica.

No A.C. Camargo Cancer Center, por exemplo, o protocolo indica checagem em pelo menos três momentos do atendimento. “O hospital atua com base em um protocolo documentado para cirurgias seguras, que segue a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS e recomendações do Canadian Patient Safety Intitute. O protocolo requer que a verificação no pré-operatório colete informações antes do início do procedimento (sign in); antes da incisão da pele (time-out); e antes do paciente deixar a sala (sign out)”, conta a profissional.

Outro procedimento que pode ser adotado é a separação dos pacientes de acordo com a lateralidade de sua cirurgia. “O processo do checklist e suas barreiras devem ser reavaliados constantemente para que a segurança do paciente se torne realmente efetiva. Um exemplo disso foi a adoção pelo A.C.Camargo da barreira da lateralidade, ou seja, os pacientes são demarcados antes de serem encaminhados ao Centro Cirúrgico, na Unidade de Internação. Desta forma, é possível ter 100% de efetividade na demarcação da lateralidade”, finaliza.

 

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!