NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Liderança: onde começa o comprometimento com a segurança do paciente?

Liderança: onde começa o comprometimento com a segurança do paciente?
0
(0)
Em reunião: exigência com os resultados de qualidade e segurança do paciente precisa ser a mesma com a de outras áreas já tradicionais (BigStock)
Em reunião: a exigência com os resultados de qualidade e segurança do paciente precisa ser a mesma com os de outras áreas já tradicionais (BigStock)

>> ÚLTIMAS VAGAS do lote com desconto: II Seminário Internacional de Enfermagem para a Segurança do Paciente

Normas e protocolos funcionam muito bem quando uma regra é seguida à risca: eles são cumpridos e executados invariavelmente, em qualquer circunstância. A disciplina para alcançar a adesão máxima vem do comprometimento dos colaboradores, e depende de maneira direta do clima e da cultura dentro da instituição. É, por isso, que fomentar a cultura de segurança é tão importante nos serviços de saúde – e depende, sobretudo, do engajamento da alta liderança e administração.    

>> Como elaborar – e aprovar – projetos de gestão da qualidade em saúde

“A cobrança das corporações com qualidade e segurança tem de estar na mesma página da exigência com o resultado do financeiro, da experiência do paciente e do clima institucional”, afirma a enfermeira Priscila Rosseto de Toledo, gerente nacional de Qualidade e Segurança do Paciente do América Serviços Médicos.

>> “Maior desafio da saúde é incorporar ferramentas de qualidade e gestão de risco”, diz enfermeira

O problema é que nem sempre a preocupação com a qualidade é encarada com o mesmo rigor que se tem em outras áreas já tradicionais da gestão. “A instituição precisa de quatro pilares para ser sustentável”, afirma Priscila.“É preciso trabalhar a experiência do paciente, a experiência do colaborador (como o clima institucional favorece o engajamento nas práticas institucionais), o resultado financeiro (para que a saúde seja sustentável tem de ser custo-efetivo), além dos indicadores assistenciais de qualidade e segurança. “A instituição precisa respirar o que a estratégia define nesses quatro pilares para trabalhá-los diariamente”, diz Priscila. “Do contrário, continuará trabalhando para receber uma avaliação externa, não como um valor intrínseco à instituição.” Assista à entrevista completa no vídeo a seguir.

>> Protocolos são suficientes para guiar as melhores práticas de saúde?

 

30

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos