NOTÍCIAS

Ambiente VUCA – Organizações e seus líderes na busca por um ambiente saudável e seguro

0
(0)

É sabido que os ambientes de trabalho são parte estratégica da construção de ações e rotinas que promovam a segurança do paciente. Vivendo em um mundo V.U.C.A. – acrônimo que define cenários onde há a presença de características como volatilidade (volatility), incerteza (uncertainty), complexidade (complexity) e ambiguidade (ambiguity) – garantir um ambiente propício para a prevenção de falhas e redução de riscos é tarefa árdua.

Apresentada por Dulce Pereira de Brito, coordenadora médica da Saúde Corporativa do Hospital Israelita Albert Einstein, uma palestra durante a edição 2019 do Fórum Latino-Americano de Qualidade e Segurança na Saúde trouxe luz à um cenário bastante preocupante. “Vivemos a sociedade da pressa onde não temos tempo e ficamos pulando de uma tarefa para a outra”, comentou a especialista ao reforçar que o momento é delicado principalmente por trazer, a todos os profissionais, desgastes físicos e mentais.

>> Erros em cirurgia: metade são causados por falhas de cognição

É justamente em ambientes agitados e apressados que as falhas encontram espaço para surgir. Artigo publicado pela Revista Brasileira de Enfermagem em meados de 2018 assinado por profissionais da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia (1) reforça que há, nos ambientes de saúde, um confronto entre a eficiência operacional e a segurança, sendo que pressões de tempo e de produtividade são alguns os fatores que contribuem para essa dicotomia.

Como as organizações devem agir para criar ambientes de trabalho saudáveis que motivam seus colaboradores e promovam a segurança dos pacientes? Um dos caminhos trilhados pela mentalidade de Dulce está em observar – e dar valor – à diversidade, criando estratégias tanto coletivas quanto individuais. “O que podemos fazer para encontrar paz diante de tanta ebulição? Quando falamos em um ambiente corporativo mentalmente saudável, precisamos olhar para a diversidade de gênero, étnica e geracional”, explica ao relembrar que é comum encontrar em um mesmo ambiente profissionais das gerações X, Y e Z. E que é preciso que eles convivam em harmonia e tenham suas particularidades visualizadas e respeitadas.

>> Síndrome de burnout: qual é o papel dos hospitais na prevenção?

Papel da liderança e das organizações – Revisão sistemática de pesquisa (2) realizada a fim de identificar possíveis associações entre o bem-estar e o Burnout de profissionais da saúde com a segurança do paciente comprovou que há essa relação. Dos 46 estudos analisados, 27 mediam o bem-estar dos trabalhadores da saúde. Desses, 16 apontaram correlação significativa entre problemas com o bem-estar e diminuição da segurança do paciente. Outros 30 estudos mediam o Burnout dos profissionais, sendo que 21 dessas pesquisas apontaram associação direta entre Burnout e segurança do paciente.

Dessa forma, comprovada a relação entre falta de bem-estar e situações de extremo estresse com piora nos índices de segurança do paciente (o que inclui aumento do risco e mais chances de erros), é preciso que as organizações de saúde trabalhem estratégias para garantir a saúde mental dos trabalhadores, criando ambientes mais harmoniosos.

>> Burnout do médico dobra risco de incidente para paciente

Uma das técnicas que têm sido aplicadas – e estudadas – para prevenir situações de estresse nos ambientes de saúde está relacionada ao mindfulness, prática de meditação que remete a um estado de atenção plena. E a ciência vem comprovando que essa é uma estratégia eficaz.

Estudo italiano (3) analisou como o midfulness (mais precisamente o Mindfulness-Based IARA Model®) pode reduzir o estresse e a ansiedade de profissionais de saúde. Acompanhando um grupo de 497 recrutados em diferentes hospitais públicos da Itália, a análise que envolveu setores como enfermaria, oncologia, neurologia, cirurgia, ortopedia, entre outros mostrou que após seis meses os profissionais de saúde que participaram das atividades de mindfulness apresentaram redução significativa na ansiedade, no estresse e em seus problemas emocionais.

Na metodologia IARA testada neste estudo são agendadas reuniões com enfermeiros, psicólogos e neurocientistas que treinam os participantes para análises emocionais, relaxamento e outras habilidades que estão diretamente atreladas ao estresse.

Referências:

(1) Condições produtoras do erro no trabalho em enfermagem

(2) Healthcare Staff Wellbeing, Burnout, and Patient Safety: A Systematic Review

(3) Mindfulness-Based IARA Model® Proves Effective to Reduce Stress and Anxiety in Health Care Professionals. A Six-Month Follow-Up Study

 

0

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos