NOTÍCIAS

Bactéria hospitalar se torna dez vezes mais resistente a álcool

0
(0)
Dispenser de álcool: estudo encontru mutações em bactéria que sugerem resistência a álcool (Bigstock)
Dispenser de álcool: estudo encontrou mutações em bactéria que sugerem resistência à desinfecção (Bigstock)

INSCRIÇÕES ABERTAS: II Seminário Internacional de Enfermagem para Segurança do Paciente

Um dos genêros de bactéria que mais tem causado preocupação em hospitais, o Enterococcus, já tem uma espécie que está dez vezes mais resistente a desinfetantes a base de álcool. A conclusão é de um estudo feito com a espécie Enterococcus faecium, conduzido por pesquisadores australianos e divulgado na publicação científica Science Translational Medicine (1).

>> Higiene das mãos: antes do contato com paciente é momento mais negligenciado

Estima-se que cerca de 10% das infecções hospitalares no mundo são causadas pelo patógeno. Ele causa especial preocupação por já ter desenvolvido linhagens resistentes à vancomicina, um dos antibióticos de última geração, usado em infecções graves. No Brasil, levantamentos sugerem que espécies do gênero Enterococcus resistentes à vancomicina estão aumentando progressivamente. Uma análise realizada em um hospital universitário de São Paulo revelou que as amostras resistentes de Enterococcus spp passaram de 9,5%, em 2000, para 15,8,% em 2002. “O enterococo resistente à vancomicina é um patógeno de progressiva incidência, sendo importante sua identificação e controle principalmente pelas precauções de barreira e uso adequado de antimicrobianos”, escrevem os autores do estudo brasileiro (2).

>> 7 erros cometidos na hora de higienizar as mãos

É nesse contexto que a notícia da resistência de uma das espécies a álcool desinfetante causa alarme. Os pesquisadores da Universidade de Melbourne analisaram 139 amostras, coletadas em dois hospitais australianos entre 1997 e 2015. Eles fizeram dois tipos de testes. Primeiro submeteram amostras por cinco minutos ao álcool isopropanol em concentração de 23%. As amostras mais recentes eram mais tolerantes do que as mais antigas, um indício do desenvolvimento de resistência. As soluções alcoólicas usadas por profissionais de saúde costumam ter concentração de pelo menos 70% – por isso, a tolerância das amostras ao álcool menos concentrado pode parecer menos perigosa. Mas os pesquisadores fazem um alerta: a aplicação sobre a pele e superfícies nem sempre é a ideal. Há áreas talvez expostas à bactéria que recebem menos álcool do que precisam ou por tempo insuficiente para matá-la.

>> Clostridium difficile: 10 perguntas & respostas para enfrentar a bactéria

Para tirar a dúvida, um segundo tipo de teste foi feito. Os pesquisadores infectaram gaiolas de camundongos com variantes do Enterococcus faecium sensíveis e resistentes à vancomicina e depois as limparam com lenços umedecidos em isopropanol 70%. “Após quatro experimentos independentes, um número significativamente maior de camundongos foram colonizados pela variante tolerante a isopropanol do que pela variante sensível.” Ou seja: as amostras que desenvolveram resistência ao álcool ainda podiam causar infecção. Análises genéticas mostraram que a variante resistente tinha mutações em genes relacionados à absorção de carboidratos e ao metabolismo.

>> Clostridium difficile: atendimento, sem internação, também expõe à infecção

A pesquisa reforça a necessidade de procedimentos adicionais para evitar que o Enterococcus se dissemine pelos hospitais. Os autores recomendam como medidas:

  • Melhorar a à aderência aos protocolos de desinfecção com álcool, de modo a garantir o uso de quantidade e tempo de exposição adequados
  • Reavaliar o uso de formulações com álcool, como gel ou espuma, que possam expor áreas à cobertura insuficiente do desinfetante

>> Transição do cuidado: ferramentas para evitar erros na comunicação
>> Hemorragia pós-parto: materiais de treinamento da OMS e nova opção de droga contra sangramento
>> Da UTI direto para casa – um atalho para a alta
>> Cirurgia sem cateter urinário: novas recomendações para prevenir infecção
>> Read back: uma estratégia de comunicação para ser usada também com pacientes

Saiba mais

(1) Pidot, Sacha J. et al. Increasing tolerance of hospital Enterococcus faecium to handwash alcohols. Science Translational Medicine. (2018)  2018: Vol. 10, Issue 452, eaar 6115 

(2) Furtado, Guilherme Henrique Campos, Martins, Sinaida Teixeira, Coutinho, Ana Paula, Soares, Gláucia Marília Moreira, Wey, Sérgio Barsanti, & Medeiros, Eduardo Alexandrino Servolo. (2005). Incidência de Enterococcus resistente à vancomicina em hospital universitário no Brasil. Revista de Saúde Pública, 39(1), 41-46.

 

Bactéria hospitalar se torna dez vezes mais resistente ao álcool

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos