NOTÍCIAS

É preciso agir urgentemente contra a hepatite, sinaliza OMS

0
(0)

Segundo diretor da OMS, ainda estamos na fase inicial da resposta à hepatite viral, mas o horizonte é promissor

De acordo com novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 325 milhões de pessoas estão cronicamente infectadas com o vírus da hepatite B (VHB) ou vírus da hepatite C (VHC).

Inscreva-se já no Curso Online: Segurança do Paciente – fundamentos teóricos e práticos

Lista de 12 bactérias que precisam de novos antibióticos com urgência é divulgada pela OMS

Novas diretrizes da OMS recomendam 29 maneiras de acabar com infecção de sítio cirúrgico e de reduzir a resistência antibiótica

O relatório global da OMS de 2017 sobre hepatite (WHO Global hepatitis report, 2017) revela que a grande maioria das pessoas afetadas não tem acesso a testes de triagem e tratamentos que poderiam salvar suas vidas. Isso significa que milhões de pessoas estão em risco à infecção evolua lentamente até a insuficiência hepática crônica, câncer e morte.

A Dra. Margaret Chan, Diretora-Geral da OMS, diz que “hoje se considera as hepatites virais um grande problema de saúde pública, que requer uma resposta urgente. Há vacinas e medicamentos para combatê-las, e a OMS se comprometeu a garantir que todas as pessoas que precisem dessas ferramentas tenham acesso a elas”.

Aumento da mortalidade e novas infecções
As hepatites virais causaram 1,34 milhões de mortes em 2015, uma cifra comparável à tuberculose e à infecção por HIV. A diferença é que, enquanto a mortalidade de tuberculose e a infecção pelo HIV estão diminuindo, a causada pelo vírus da hepatite só aumenta.

Em 2015, o número de recém-infectados com VHC cresceu e chegou a 1,75 milhões. No total, em todo o mundo, existem 71 milhões de pessoas que sofrem de hepatite C.

Embora o número de mortes por hepatite esteja aumentando, as novas infecções por VHB está sendo reduzida, tudo graças à ampliação da vacinação infantil: 84% das crianças nascidas em 2015 receberam três doses recomendadas vacina contra o VHB.

A administração desta vacina começou em alguns países na década de 1980 e tornou-se global nos anos 2000. Entre o tempo antes da introdução da vacina e 2015, a proporção de novas infecções em crianças menores de cinco anos diminuiu de 4,7% para 1,3%. No entanto, cerca de 257 milhões de pessoas, em sua maioria adultos nascidos antes de ter sido iniciado o processo de vacinação, sofriam de infecção crônica por VHB, em 2015.

O problema da falta de acesso ao tratamento
Não estão disponíveis vacinas contra o VHC e o acesso ao tratamento contra este vírus e o VHB continua a ser baixo. Para a OMS, a estratégia global do setor da saúde contra a hepatite tem dois objetivos de 2017 a 2030: submeter à triagem e tratamento 90% e 80% das pessoas infectadas com VHB e VHB, respectivamente.

No relatório anterior, observa-se que, em 2015, apenas 9% e 20% das infecções por VHB e VHB eram respectivamente diagnosticadas. As proporções de pacientes tratados são ainda mais baixas. Apenas 8% das pessoas que tinham sido diagnosticadas com a infecção por VHB (1,7 milhões de pessoas) tiveram acesso ao tratamento e, em termos de infecção pelo VHC, apenas 7% dos pacientes (1, 1 milhões) tinha começado a tomar um tratamento curativo durante esse ano.

O tratamento da infecção por VHB deve ser permanente. Atualmente, a OMS recomenda tratamento com tenofovir, que já é amplamente usada para tratar a infecção por HIV. No que diz respeito à hepatite C, ele pode ser curado num curto período de ação direta com antivirais (AAD), graças à elevada eficácia destas drogas.
Na opinião do Dr. Gottfried Hirnschall, diretor do Departamento de HIV/AIDS da OMS e do Programa Global contra a opinião da hepatite, “ainda estamos na fase inicial da resposta à hepatite viral, mas o horizonte é promissor. Mais e mais países disponibilizam os serviços para combater essas infecções. O preço de um teste de diagnóstico é inferior a US$ 1, e o tratamento de hepatite C pode ter um custo inferior a 200 dólares. No entanto, os dados demonstram claramente a urgência de tratar as deficiências de detecção e tratamento”.

Em março de 2017, a OMS pré-qualificou pela primeira vez um ingrediente ativo genérico (a sofosbuvir) contra a hepatite C. Como resultado, ele vai expandir o acesso ao tratamento, sendo oportunidade para tornar os medicamentos mais acessíveis contra esta doença.

Veja mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos