NOTÍCIAS

Entenda como é o processo de acreditação odontológica no Brasil

0
(0)

O processo é totalmente voluntário e deve seguir o passo a passo juntos às Instituições Acreditadoras (IACs) credenciadas pela Organização Nacional de Acreditação (ONA)

Qualidade é o que dita a regra em diversos setores da saúde. E a odontologia brasileira começa o caminho para a excelência quando se fala em certificação de consultórios e clínicas odontológicas. Em entrevista exclusiva ao Portal IBSP, a dentista Isabela Castro conta como funciona o processo no Brasil e mostra as vantagens para o profissional e para o paciente.

Combinação de estratégias evita erros na conciliação de medicamentos, diz farmacêutica do Sírio-Libanês

Farmacêutico de oncologia tem papel primordial no plano de segurança do paciente

Como controlar e reconciliar medicamentos em ambiente hospitalar

“O serviço odontológico que adere ao Processo de Acreditação mostra sua responsabilidade e compromisso com a questão da Segurança do Paciente, melhoria da qualidade dos seus processos, ética profissional e qualidade dos serviços prestados à população”, diz a odontóloga.

IBSP – A certificação dos serviços odontológicos, assim como nas outras áreas, é voluntária e contempla tanto clínicas odontológicas quanto consultórios isolados, desde que atendam aos requisitos de elegibilidade. Quais são esses requisitos?
Isabela Castro – Para se enquadrar no conceito certificação de um serviço odontológico, conforme determina a norma para o processo de avaliação específica, inclui:
– Estar legalmente constituído há pelo menos um ano;
– Possuir alvará de funcionamento;
– Possuir licença sanitária;
– Possuir licenças pertinentes à natureza das atividades;
– Possuir registro de responsável técnico conforme perfil do serviço.

IBSP – O que o dentista deve fazer para ter seu consultório acreditado?
Isabela – Dentro do Sistema Brasileiro de Acreditação, o processo de avaliação para certificação é de responsabilidade das Instituições Acreditadoras (IACs) credenciadas pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).

O processo de acreditação é voluntário, ou seja, é o serviço odontológico que manifesta interesse pela avaliação diretamente a uma das IACs. Uma vez tomada essa decisão, e fechando critérios de eleição, o serviço deve seguir os passos abaixo:
a) Selecionar uma IAC para realizar o diagnóstico situacional;
b) Recolher a taxa de inscrição para o Processo Diagnóstico Organizacional junto a ONA, antes do processo de visita.

IBSP – Por que as clínicas odontológicas e consultórios devem apostar na acreditação odontológica?
Isabela – O serviço Odontológico que adere ao Processo de Acreditação mostra sua responsabilidade e compromisso com a questão da Segurança do Paciente, movimento que já  ocorreu na Medicina e outras áreas da saúde, mas que na Odontologia ainda esboça seus primeiros passos de forma bem tímida. Sem dúvida, a melhoria contínua dos processos é o melhor desdobramento que advém dessa iniciativa. Dentistas não estão familiarizados com questões relacionadas à gestão de suas clínicas e a temática do evento adverso ainda é tida como um assunto espinhoso e desagradável. Infelizmente, quando vem à tona, já está na teia jurídica. Minha predição é que também na Odontologia, a grande maioria dos eventos adversos são facilmente evitáveis através de estratégias relativamente simples. Dessa forma, a acreditação de serviços Odontológicos, é o fio condutor para a criação de barreiras preventivas contra o acontecimento do erro no cenário Odontológico bem como o tratamento de riscos relacionados. Além disso, cabe citar ainda que a chancela de “Serviço Odontológico acreditado” confere à instituição posição de destaque e distinção frente aos seus concorrentes, sendo um grande diferencial competitivo no mercado.

IBSP – Quais as opções de acreditação odontológica disponíveis no mercado nacional?
Isabela – O Sistema Brasileiro de Acreditação possui requisitos e padrões estruturados em três níveis, com base em três conceitos, os quais representam a base da metodologia: estrutura, processo e resultados.
a) Quando a Instituição cumpre integralmente com os requisitos do nível 1, ela é qualificada na condição de Acreditada;
b) Quando a Instituição cumpre integralmente com os requisitos dos níveis 1 e 2, ela é qualificada na condição de Acreditada Plena;
c) Quando a Instituição cumpre integralmente com os requisitos dos níveis 1,2 e 3, ela é qualificada na condição de Acreditada com Excelência;

IBSP – A acreditação odontológica impacta diretamente na segurança do paciente?
Isabela – O processo de acreditação, dentre todos os seus desdobramentos positivos, tem na segurança do paciente o seu grande holofote. Tradicionalmente, os dentistas estão muito condicionados ao trabalho artesanal e técnico, de forma tal que se vive numa atmosfera equivocada de ausência de risco, apenas por ser o ambiente odontológico local de assistência de baixa complexidade, como se o risco ao acontecimento de evento adverso estivesse  confinado apenas a  cuidados médicos e Hospitalares. Esta ideia está totalmente equivocada. Sim, há inúmeros riscos relacionados ao ambiente Odontológico, sejam eles relacionados ao próprio Dentista e sua equipe, aos equipamentos e insumos envolvidos no atendimento / procedimento ou ainda os riscos relacionados aos próprios pacientes, com destaque a grupos mais vulneráveis como pacientes com necessidades  especiais e idosos. Existem basicamente três nichos de atendimento Odontológico: atendimento em clínica geral, clínica de urgência e por fim, o atendimento nas especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Odontologia. Embora tudo seja assistência Odontológica, cada ambiente guarda uma certa peculiaridade no âmbito do risco, sendo necessário pois, um mapeamento de processo para entendimento e tratamento dos riscos inerentes a cada cenário.

Veja mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos