NOTÍCIAS

Gestão de oxigênio durante a pandemia – É preciso manter o paciente seguro

0
(0)

Em um cenário de colapso do sistema de saúde no país em decorrência da transmissão desenfreada do novo coronavírus, que leva à uma superlotação dos hospitais e à necessidade de maior gerenciamento dos suprimentos, a Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp) publicou um documento com dez orientações práticas para o gerenciamento do uso do oxigênio em unidades hospitalares.

Tendo como ponto de partida a triste situação vivenciada pelos hospitais de Manaus, no Amazonas, que ganhou repercussão nacional após pacientes que carecem de suporte ventilatório internados tanto com COVID-19 quanto por outras situações diversas sofrerem com a falta de oxigênio, a avaliação das melhores estratégias para garantir que todo paciente internado tenha acesso a esse insumo vital e a uma assistência segura torna-se necessária.

Confira, abaixo, as dez orientações. O documento pode ser lido AQUI na íntegra.

1 – Utilizar fluxômetros com válvulas reguladoras a 3,5 kgf/cm² e indicar um profissional para checar diariamente essa calibração, pois se os equipamentos estiverem ajustados de forma diferente haverá liberação de gás acima do necessário.

2 – Desconectar dispositivos assistenciais pneumáticos que não estão em uso e ter sempre algum profissional para fazer essa checagem, pois, se permanecerem conectados, podem surgir vazamentos.

3 – Orientar a equipe a prescrever e registrar adequadamente toda necessidade de uso de gás medicinal para que a gestão hospitalar tenha acesso à quantidade de gás que está sendo utilizada.

4 – Observar e relatar qualquer vazamento que pode levar ao desperdício do insumo.

5 – Manter 72 horas de reserva de gases medicinais seguindo a recomendação internacional para situações de desastres.

6 – Atenção redobrada nos procedimentos de desinfecção e limpeza de réguas de gases medicinais para evitar que, durante essa ação, surjam vazamentos.

7 – Diminuir a pressão da rede, pois os aparelhos mais modernos operam com menor pressão. Essa atitude pode eliminar a necessidade das válvulas reguladoras diminuindo potenciais pontos de vazamentos.

8 – Controlar sistematicamente a compra de gás medicinal para que seja possível realizar o cálculo real do consumo efetivo médio, reduzindo a média calculada e seu respectivo desvio padrão.

9 – Revisar o contrato de compra de gases medicinais para evitar cláusulas que desobrigam a entrega dos insumos em casos de força maior como, por exemplo, catástrofes naturais.

10 – Envolver a equipe da farmácia na gestão dos insumos, já que gases medicinais são considerados fármacos.

Referências:

(1) 10 orientações práticas para o gerenciamento do uso de oxigênio em unidades hospitalares – Sobrasp

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos