NOTÍCIAS

Mortes por sarampo tem queda substancial, mas doença ainda mata 90 mil por ano

0
(0)

Foram poupadas as vidas de 1,3 milhões de pessoas por conta da vacinação contra a doença, diz relatório da OMS

Em 2016, cerca de 90.000 pessoas morreram de sarampo – uma queda de 84% se relacionadas às 550.000 mortes ocorridas em 2000, de acordo com novo relatório divulgado em outubro de 2017. Isso marca a primeira vez que as mortes globais por sarampo ficaram abaixo de 100.000 por ano.

Três pacientes morrem a cada cinco minutos por causas evitáveis

Lesão por pressão pode levar até à internação prolongada, sepse e mortalidade

6 metas internacionais de segurança do paciente

“Poupar uma média de 1,3 milhões de vidas por ano através da vacina contra o sarampo é uma conquista incrível e faz com que um mundo livre de sarampo pareça possível”, diz o Dr. Robert Linkins, da Iniciativa contra o Sarampo e Rubéola (MR&I) e Chefe da Divisão de Controle de Doenças Aceleradas e Doenças Preveníveis à Vacina nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças. A MR&I é uma parceria formada em 2001entre a Cruz Vermelha Americana, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a Fundação das Nações Unidas, a UNICEF e a OMS.

Desde 2000, cerca de 5,5 bilhões de doses de vacinas contra o sarampo foram fornecidas às crianças através de serviços de vacinação de rotina e campanhas de vacinação em massa, preservando 20,4 milhões de vidas estimadas.

“Vimos uma queda substancial nas mortes por sarampo por mais de duas décadas, mas agora devemos nos esforçar para zerar os casos de sarampo”, diz o Dr. Jean-Marie Okwo-Bele, diretor do Departamento de Imunização, Vacinas e Produtos Biológicos da OMS. “A eliminação do sarampo só será alcançada se as vacinas chegarem a cada criança, em todos os lugares”.

O mundo ainda está longe de atingir os objetivos regionais de eliminação do sarampo. A cobertura com a primeira das duas doses necessárias de vacina contra o sarampo ficou paralisada em aproximadamente 85% desde 2009, muito abaixo da cobertura de 95% necessária para parar as infecções por sarampo, e a cobertura com a segunda dose, apesar dos recentes aumentos, foi de apenas 64% em 2016.

Muitas crianças – 20,8 milhões – ainda não têm acesso à primeira dose de vacina contra o sarampo. Mais de metade dessas crianças não vacinadas vivem em seis países: Nigéria (3,3 milhões), Índia (2,9 milhões), Paquistão (2,0 milhões), Indonésia (1,2 milhões), Etiópia (0,9 milhões) e República Democrática do Congo (0,7 milhão). Uma vez que o sarampo é uma doença viral altamente contagiosa, grandes surtos continuam a ocorrer nestes e outros países da Europa e América do Norte, colocando as crianças em risco de complicações graves para a saúde, como pneumonia, diarreia, encefalite, cegueira e morte.

“Esta queda notável nas mortes por sarampo é resultado de anos de trabalho árduo por parte dos profissionais de saúde, governos e agências de desenvolvimento para vacinar milhões de crianças nos países mais pobres do mundo”, disse o Dr. Seth Berkley, CEO da Gavi, Vaccine Alliance, um dos maiores apoiantes mundiais dos programas de vacinação contra o sarampo. “No entanto, não podemos nos dar ao luxo de ser complacentes. Muitas crianças ainda não estão recebendo as vacinas que salvam vidas. Para atingir essas crianças e nos estabelecer em um caminho realista para a eliminação do sarampo, precisamos melhorar a imunização de rotina apoiada por sistemas de saúde fortes”.

Leia mais

Usar antibiótico com sabedoria combate a crescente resistência medicamentosa

Saiba mais

 

sarampo

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos