NOTÍCIAS

Rondas de cateter fazem parte das boas práticas de segurança em unidade de terapia intensiva

0
(0)

Enfermeira assistencial conta algumas das boas práticas ligadas à segurança do paciente em UTI no Oswaldo Cruz Hospital Alemão

Confira a seguir a entrevista exclusiva com Luciana Albuquerque, enfermeira assistencial da UTI do Oswaldo Cruz Hospital Alemão.

Qual a importância da segurança do paciente no Oswaldo Cruz Hospital Alemão?
Luciana Albuquerque – A segurança do paciente é fundamental em todas as áreas do hospital e, nas unidades de terapia intensiva, isso ganha relevância. No Oswaldo Cruz Hospital Alemão, que é acreditado pela JCI, nós temos uma prática relevante nas UTIS, que são as rondas de cateter. Além disso, temos que conhecer e colocar em prática as metas internacionais de segurança do paciente.

Como vocês trabalham as metas internacionais no hospital?
Luciana Albuquerque – Há treinamentos periódicos para toda a equipe assistencial. Semanalmente, há uma reunião que trabalha as metas internacionais e pontos centrados em segurança do paciente. Também já fizemos gincanas com perguntas sobre as metas, que tinham que ser respondidas pelos profissionais de saúde.

Como fazem a conscientização do paciente sobre a cultura de segurança?
Luciana Albuquerque – Trabalhamos fortemente a educação do paciente para que ele ajude a cuidar de sua segurança. Quando admitimos o paciente, colamos as pulseiras de identificação e risco de queda e explicamos como prevenir a queda e possíveis erros relacionados à identificação errônea. E até pedimos que o paciente exija dos profissionais que lavem as mãos ao entrar no quarto para prestar a assistência.

Quais os maiores desafios da segurança do paciente?
Luciana Albuquerque – O desafio é com os médicos externos do hospital, que em sua grande maioria não tem a cultura de segurança intrínseca ao trabalho. Por exemplo, boa parte não higieniza mãos, deixa a grade abaixada da cama após examinar o paciente. Portanto, acredito fazer com que os médicos terceirizados passem a aderir às boas práticas de segurança ainda é um dos pontos de atenção dentro das UTIs dos hospitais.

Qual a importância de uma comunicação eficaz dentro da equipe multidisciplinar?
Luciana Albuquerque – Na UTI, essa comunicação é mais eficaz do que no restante do hospital, pois tanto a enfermeira quanto o intensivista estão ali o tempo todo prestando cuidado ao paciente. Além disso, todas as ligações realizadas na UTI são gravadas e todas as ações são anotadas. É mais seguro.

Leia mais

Barreiras de segurança são similares nas UTI e semi-intensivas, diz enfermeira do Einstein

Veja mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Comente

Veja outros conteúdos

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos