NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Nove em cada dez pessoas em todo o mundo respiram ar poluído, diz OMS

Nove em cada dez pessoas em todo o mundo respiram ar poluído, diz OMS
0
(0)

A OMS estima que cerca de 7 milhões de pessoas morrem por ano em decorrência da exposição a partículas finas em ar poluído que penetram profundamente nos pulmões e no sistema cardiovascular

Os níveis de poluição do ar permanecem perigosamente altos em muitas partes do mundo. Novos dados da OMS mostram que nove em cada dez pessoas respiram ar contendo altos níveis de poluentes. Estimativas atualizadas revelam um alarmante número de mortes de 7 milhões de pessoas todos os anos, causadas pela poluição ambiental (externa) e doméstica do ar.

Lesões por pressão em idosos: como prevenir

Amamentação: conheça as novas orientações da OMS e UNICEF

Resgate de antigos antibióticos pode promover maior eficácia aos tratamentos atuais

“A poluição do ar ameaça a todos nós, mas as pessoas mais pobres e marginalizadas suportam o peso do fardo”, diz o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS. “É inaceitável que mais de 3 bilhões de pessoas – a maioria mulheres e crianças – ainda estejam respirando fumaça todos os dias por usarem fogões poluidores e combustíveis em suas casas. Se não tomarmos medidas urgentes sobre a poluição do ar, nunca chegaremos perto de alcançar o desenvolvimento sustentável. ”

7 milhões de mortes todos os anos
A OMS estima que cerca de 7 milhões de pessoas morram a cada ano de exposição a partículas finas em ar poluído que penetram profundamente nos pulmões e no sistema cardiovascular, causando doenças como derrame, doenças cardíacas, câncer de pulmão, doenças pulmonares obstrutivas crônicas e infecções respiratórias, incluindo pneumonia.

Só a poluição do ar ambiente causou cerca de 4,2 milhões de mortes em 2016, enquanto a poluição do ar por cozimento com combustíveis poluentes e tecnologias causou uma estimativa de 3,8 milhões de mortes no mesmo período.

Mais de 90% das mortes relacionadas à poluição do ar ocorrem em países de baixa e média renda, principalmente na Ásia e na África, seguidos pelos países de renda baixa e média da região do Mediterrâneo Oriental, Europa e Américas.

Cerca de 3 bilhões de pessoas – mais de 40% da população mundial – ainda não têm acesso a combustíveis limpos e tecnologias em suas casas, a principal fonte de poluição do ar doméstico. A OMS monitora a poluição do ar por mais de uma década e, enquanto a taxa de acesso a combustíveis e tecnologias limpas está aumentando em todos os lugares, as melhorias não estão nem acompanhando o crescimento populacional em muitas partes do mundo, particularmente na África Subsaariana. .

A OMS reconhece que a poluição do ar é um fator de risco crítico para doenças não transmissíveis (DCNT), causando cerca de um quarto (24%) de mortes por doenças cardíacas, 25% de acidente vascular cerebral, 43% de doença pulmonar obstrutiva crônica e 29% de câncer de pulmão.

Mais países em ação
Mais de 4300 cidades em 108 países estão agora incluídas no banco de dados de qualidade do ar ambiente da OMS, tornando-o o banco de dados mais abrangente do mundo sobre a poluição do ar ambiente. Desde 2016, mais de mil cidades adicionais foram adicionadas ao banco de dados da OMS, o que mostra que mais países estão medindo e tomando medidas para reduzir a poluição do ar do que nunca. A base de dados coleta as concentrações médias anuais de material particulado fino (PM10 e PM2.5). O PM2.5 inclui poluentes, como sulfato, nitratos e carbono negro, que representam os maiores riscos para a saúde humana. As recomendações de qualidade do ar da OMS exigem que os países reduzam sua poluição do ar para valores médios anuais de 20 μg / m3 (para PM10) e 10 μg / m3 (para PM25).

“Muitas das megacidades do mundo ultrapassam os níveis de referência da OMS para qualidade do ar em mais de 5 vezes, representando um grande risco para a saúde das pessoas”, diz Maria Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública, Determinantes Sociais e Ambientais da Saúde da OMS. “Estamos vendo uma aceleração do interesse político neste desafio global de saúde pública. O aumento das cidades que registram os dados de poluição do ar reflete um compromisso com a avaliação e o monitoramento da qualidade do ar. A maior parte desse aumento ocorreu em países de alta renda, mas esperamos ver um aumento similar dos esforços de monitoramento em todo o mundo ”.

Enquanto os dados mais recentes mostram que os níveis de poluição do ar ambiente ainda são perigosamente altos na maior parte do mundo, eles também mostram algum progresso positivo. Os países estão tomando medidas para combater e reduzir a poluição do ar a partir de material particulado. Por exemplo, em apenas dois anos, o programa Pradhan Mantri Ujjwala Yojana da Índia forneceu cerca de 37 milhões de mulheres vivendo abaixo da linha da pobreza com conexões de GLP gratuitas para apoiá-las a mudar para o uso de energia doméstica limpa. A Cidade do México se comprometeu com padrões de veículos mais limpos, incluindo a mudança para ônibus sem fuligem e a proibição de carros a diesel privados até 2025.

As principais fontes de poluição do ar a partir de material particulado incluem o uso ineficiente de energia por parte das famílias, da indústria, dos setores de agricultura e transporte e de usinas termoelétricas a carvão. Em algumas regiões, areia e poeira do deserto, queima de lixo e desmatamento são fontes adicionais de poluição do ar. A qualidade do ar também pode ser influenciada por elementos naturais, como fatores geográficos, meteorológicos e sazonais.

A poluição do ar não reconhece fronteiras. Melhorar a qualidade do ar exige uma ação sustentada e coordenada do governo em todos os níveis. Os países precisam trabalhar juntos em soluções para o transporte sustentável, produção e uso de energia mais eficiente e renovável e gestão de resíduos. A OMS trabalha com muitos setores, incluindo transporte e energia, planejamento urbano e desenvolvimento rural para apoiar os países a enfrentar esse problema.

Principais conclusões
• A OMS estima que cerca de 90% das pessoas em todo o mundo respirem ar poluído. Nos últimos seis anos, os níveis de poluição do ar ambiente permaneceram altos e aproximadamente estáveis, com concentrações decrescentes em alguma parte da Europa e nas Américas.
• Os níveis mais altos de poluição do ar são na Região do Mediterrâneo Oriental e no Sudeste da Ásia, com níveis médios anuais geralmente superiores a 5 vezes os limites da OMS, seguidos por cidades de baixa e média renda na África e no Pacífico Ocidental.
• A África e alguns países do Pacífico Ocidental têm uma grave falta de dados sobre a poluição do ar. Para a África, o banco de dados agora contém medições de PM para mais de duas vezes mais cidades do que as versões anteriores, no entanto, os dados foram identificados para apenas 8 dos 47 países da região.
• A Europa tem o maior número de lugares que reportam dados.
• Em geral, os níveis de poluição do ar ambiente são menores nos países de alta renda, particularmente na Europa, nas Américas e no Pacífico Ocidental.Em cidades de países de alta renda na Europa, a poluição do ar reduziu a expectativa de vida média em e 24 meses, dependendo dos níveis de poluição.

“Líderes políticos em todos os níveis de governo, incluindo os prefeitos da cidade, estão agora começando a prestar atenção e tomar medidas”, acrescenta o Dr. Tedros. “A boa notícia é que estamos vendo mais e mais governos aumentando os compromissos para monitorar e reduzir a poluição do ar, bem como uma ação mais global do setor de saúde e outros setores como transporte, habitação e energia.”

Este ano, a OMS convocará a primeira Conferência Global sobre Poluição do Ar e Saúde (30 de outubro a 1º de novembro de 2018) para reunir governos e parceiros em um esforço global para melhorar a qualidade do ar e combater as mudanças climáticas.

Veja mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos