NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Novo mecanismo de resistência a antibióticos é descoberto em Pseudomonas aeruginosa

Novo mecanismo de resistência a antibióticos é descoberto em Pseudomonas aeruginosa
0
(0)

Os pesquisadores descobriram um novo tipo de resistência contra o comum antibiótico ciprofloxacina

A resistência antibiótica avança a passos largos. Isso porque pesquisadores descobriram no patógeno oportunista Pseudomonas aeruginosa, descrita na revista Antimicrobial Agents and Chemotherapy.

Clique aqui e confira o estudo.

Este novo mecanismo complementa um arsenal já existente em que as bactérias têm de combater a ciprofloxacina. A ciprofloxacina, ou CIP, é uma quinolona que atua bloqueando as enzimas topoisomerase e girase de DNA no local, à medida. O acúmulo desses complexos leva à morte celular. Para evitar a morte por CIP, as células alteram a concentração intracelular. Porém, as células podem impedir a ligação da CIP ao seu alvo, ou alterar a droga. Na nova pesquisa, o autor Victor Chávez-Jacobo e a cientista sênior Martha Ramírez-Díaz descrevem um novo tipo de alteração: a adição de um grupo fosforil a ciprofloxacina.

A equipe científica observou primeiro que a resistência à ciprofloxacina foi transferida pelo plasmídeo pUM505, originalmente identificado num isolamento clínico e bem caracterizado pelas suas sequências de virulência e conferindo resistência. Para identificar o gene responsável pela fosforilação da CIP, a equipe científica analisou as sequências gênicas codificadas e observou homologia entre um gene, orf131 (renomeado para crpP), e um aminoglicosídeo transferase da Mycobacterium smegmatis. Eles testaram a função da crpP expressando-a em Escherichia coli ou Pseudomonas aeruginosa, demonstrando assim um aumento nas concentrações inibitórias mínimas (CIMs) de CIP.

A Pseudomonas aeruginosa expressa por crpP teve aumentos em outras MICs de fármacos da família das quinolonas, mas nenhuma expressão em E. coli nem P. aeruginosa afetou a MIC de outros antibióticos, incluindo aminoglicosídeos. Os estudos determinaram que a resistência fosse devida à fosforilação do fármaco.

A resistência codificada pelo plasmídeo é mais facilmente difundida entre cepas bacterianas e espécies do que a resistência codificada cromossomicamente, tornando a descoberta da crpP em um plasmídeo muito mais assustadora.

Isso significa que essa descoberta não é apenas perigosa para aqueles que sofrem de infecções por P. aeruginosa, mas que o gene pode ser transmitido para organismos relacionados, levando à disseminação da resistência CIP. A boa notícia é que a identificação do gene facilitará a vigilância da resistência, pode impedir sua disseminação antes de ter um grande impacto na clínica.

Leia mais

Grupo de infectologistas definem critérios globais para hospitais enfrentarem resistência antimicrobiana

Veja mais

 

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos