NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

O que falta para a ciência encontrar a tão sonhada cura da AIDS?

O que falta para a ciência encontrar a tão sonhada cura da AIDS?
0
(0)

Dia Mundial de Luta Contra a Aids

A principal condição que faz com que a Aids seja temida é o fato de ser incurável. É difícil aceitar o fato de que, por vezes, um simples descuido ou acidente possa ter consequências para uma vida inteira. Por conta disso, a cura para a doença é tão desejada e esperada. Mas será que a ciência está perto de alcançá-la?

Atualmente, quando o assunto é AIDS e HIV, os médicos já falam na chamada cura funcional. Isso significa que é possível controlar a doença e seus sintomas, mas sem remover o vírus do corpo. “A terapia antirretroviral promove uma cura funcional, diminuindo a quantidade de vírus nas secreções corporais e fazendo, então, com que diminua também a quantidade de linfócitos T-CD4 infectados”, explica o infectologista Jean Gorinchteyn, médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo, responsável pelo Ambulatório de AIDS no Idoso e mestre em doenças infecciosas, com vários trabalhos publicados sobre o tema.

Diagnóstico precoce e tratamento geram boa qualidade de vida aos portadores de HIV

Veja as mudanças no atendimento ao Zika vírus divulgadas pelo Ministério da Saúde

Check-up impacta diretamente na qualidade de vida

“Esses linfócitos são produtores de anticorpos. À medida que eles, então, deixam de ser infectados (porque a carga viral cai) eles aumentam a imunidade, evitando que esse indivíduo progrida para a AIDS, que é o conjunto de sinais e sintomas de baixa imunológica”, completa o médico.

Ele explica ainda que, além diminuir a quantidade de produtores de anticorpos infectados, a medicação inibe o vírus, fazendo que ele se “esconda” em locais específicos do corpo. “Quando nós falamos dessa cura funcional estamos dizendo que a imunidade fica estabelecida e preservada. Porém, ainda temos a presença e persistência de vírus do HIV em locais que nós chamamos de ‘santuários’. São locais como gânglios, sistema nervoso central (cérebro), que fazem com que não só eles estejam protegidos contra as células de nosso sistema imune como, ao mesmo tempo, das medicações antirretrovirais. Com isso, o indivíduo que inicia a terapia antirretroviral vai ter que usar por toda a sua vida”, afirma o médico.

 Cura definitiva e vacina?

Com esse avanço no tratamento, as pesquisas passaram a permear a possibilidade de tirar os vírus dos tais esconderijos para que eles fiquem expostos à ação da medição. “Hoje, as estratégias de pesquisa visam retirar esses vírus que estão nesses santuários, fazendo, então, com que eles sejam expostos à terapia antirretroviral. Portanto, esse estudo já existe e é o que se programa e se espera ter: não só essa cura funcional como a virológica, ou seja, tirando esses vírus, garantindo assim a cura desse indivíduo”, conta Gorinchteyn.

Outra frente que os cientistas trabalham é na criação de uma vacina contra o HIV, que estão sendo testadas em portadores e não-portadores. “As vacinas também têm sido estudas, ainda não se criou resposta efetiva, mas os estudos ainda se mantêm”, revela o médico. A expectativa é que nos próximos anos apareçam novidades sobre tais estudos.

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!