NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Profissionais que atendem idosos precisam de habilidades específicas

Profissionais que atendem idosos precisam de habilidades específicas
0
(0)

O treinamento de um profissional que atua com o idoso envolve o estudo da senilidade e da senescência com o objetivo de identificar o que faz parte do envelhecimento ou o que é patológico

 

A reabilitação de idosos tem suas peculiaridades e os profissionais designados para tal tarefa precisam estar preparados para o que vão encontrar. No caso dos acidentes que, muitas vezes, provocam quedas e fraturas desses pacientes, existe o mito de que o idoso não tem potencial de recuperação. O especialista Dr. José Eduardo Pompeu, do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP, explica que estudos têm apontado para o lado contrário a essa teoria.

“Mesmo idosos com fragilidade respondem bem a programas de reabilitação bem estruturados e que envolvem modalidades combinadas de exercícios e os cuidados de uma equipe interdisciplinar. Um grande desafio é reabilitar idosos com muitas restrições à prática de atividade física como a hipertensão arterial sistêmica descontrolada e as cardiopatias graves. Outras alterações clínicas como a desnutrição, a sarcopenia, a osteoporose e o comprometimento cognitivo também são condições desafiadoras para a reabilitação”, afirma o profissional.

A necessidade de tratamentos interdisciplinares precisa de equipe envolvida com habilidade para trabalhar em equipe. “É uma característica fundamental. A visão multidimensional em relação aos fatores que podem interferir na saúde do idoso é outro aspecto importante dos profissionais que atuam na reabilitação do idoso. O treinamento de um profissional que atua com o idoso envolve o estudo da senilidade e da senescência com o objetivo de identificar o que faz parte do envelhecimento ou o que é patológico”, aponta Pompeu.

Especialização com Idosos

Vale reforçar ainda a necessidade de especialização na formação dos profissionais. “Como o idoso sofre declínios em vários sistemas, é importante que a equipe seja formada por profissionais com formação em geriatria e gerontologia, entre eles, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, geriatras, assistentes sociais, fonoaudiólogos, farmacêuticos, terapeutas ocupacionais, entre outros. Entender o processo de envelhecimento e as características físicas, emocionais, psicológicas e sociais específicas do idoso é fundamental para os profissionais que atuam nesta área”, completa ele.

Entre os principais desafios da área está em quebrar os mitos que envolvem essa faixa etária, que tendem a apontar erroneamente algumas alterações patológicas como se fossem normais para a idade. “Este tipo de abordagem impede o diagnóstico e o tratamento de diversos acometimentos que poderiam responder bem às intervenções, apesar da idade. Outro erro comum é tratar todos os idosos como frágeis ou vulneráveis, pois a grande maioria dos idosos é independente e autônoma. Estudos mostram que apenas aproximadamente 20% dos idosos apresentam limitações para as atividades de vida diária”, conclui o especialista.

Veja mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!