NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Profissional de saúde passa a ter obrigatoriedade de notificar Zika

Profissional de saúde passa a ter obrigatoriedade de notificar Zika
0
(0)

Imagem de microscópio eletrônico do vírus da zika (pontos pretos) em tecido humano

Zika agora é de notificação obrigatória

A partir desta quinta-feira (18/02), a notificação de casos suspeitos de infecção pelo vírus Zika passa a ser obrigatória por parte dos médicos e instituições de saúde. A portaria, publicada no Diário Oficial da União, prevê que todos os casos suspeitos deverão ser comunicados semanalmente às autoridades sanitárias.

No caso de gestantes com suspeita de infecção pelo vírus Zika ou de óbito suspeito, a notificação deverá ser imediata, ou seja, feita pelos profissionais de saúde em até 24 horas.

IBSP realiza simpósio internacional sobre qualidade e segurança do paciente

Vírus Zika é achado em tecido de bebês mortos no Brasil com microcefalia

Entenda o que é uma situação internacional de emergência em saúde pública

O Ministério da Saúde informou que a mudança é resultado de uma análise dos métodos de acompanhamento do vírus no Brasil. Até então, a infecção era monitorada por meio do Sistema de Vigilância Sentinela, para prestar apoio a medidas de prevenção à doença.

A decisão de tornar a notificação obrigatória foi tomada em parceria com estados e municípios, além de especialistas.

“Os profissionais de saúde de todo o Brasil estão sendo orientados sobre a medida por meio dos diversos canais de comunicação de rotina, como videoconferências, e-mails, ofícios e contatos diretos”, destacou o ministério.

Entenda a doença

Na maioria dos casos, o vírus Zika provoca uma doença benigna e, por vezes, assintomática. Provoca alguns sintomas leves parecidos com uma gripe (febre, dor de cabeça, dores no corpo). No entanto, quando o vírus afeta mulheres grávidas, pode provocar graves malformações congênitas dos fetos, em particular a microcefalia, doença que compromete o desenvolvimento normal do tamanho da cabeça dos bebês e que compromete o desenvolvimento intelectual e físico das crianças.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a explosão de casos de malformações congênitas constitui “uma urgência de saúde pública em nível mundial”.

Os especialistas concordam que há mais incógnitas do que informações cientificamente comprovadas que envolvem o vírus Zika, que assola a América Latina, particularmente o Brasil e a Colômbia.

Os pesquisadores esforçam-se, em particular, para determinar a ligação entre o vírus e a microcefalia e procuram saber em que proporção o vírus compromete o feto. Porém, no momento, não existe vacina ou tratamento contra o Zika.

Saiba mais

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!