NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Protocolo para Avaliação de Suspeita de TEP

Protocolo para Avaliação de Suspeita de TEP
5
(2)

Protocolo para Suspeita de TEP

Um dos maiores desafios em termos de diagnóstico na medicina é a embolia pulmonar (ou tromboembolismo pulmonar – TEP). E este desafio ocorre por se tratar uma doença com sinais e sintomas muito variáveis, nenhum específico o suficiente. Sendo assim, apenas com um guia de apoio à decisão clínica é possível descartar ou diagnosticar TEP adequadamente. Em outras palavras, é apenas com um protocolo estruturado é que podemos salvar vidas, e ao mesmo tempo evitar gastos desnecessários com coleta de D-dímero, ou ainda com realização de tomografia computadorizada com contraste, um exame de alto custo e cheio de riscos.

Baseado em uma extensa revisão de literatura, o American College of Physicians dos EUA lançou um guia de melhores práticas para definir como deve ser um protocolo de avaliação de suspeita de TEP custo-efetivo.

OMS cria checklist de parto seguro que visa segurança do paciente

Excesso de antibióticos em hospitais coopera para bactérias multirresistentes

Melhores Práticas

Diante de um paciente para o qual se cogitou o diagnóstico de TEP:

Conselho 1: o médico deve utilizar regras de predição clínica validadas como escore de Wells ou escore de Geneva, para estimar a probabilidade pré-teste de diagnóstico de TEP;

Conselho 2: para pacientes de probabilidade baixa de TEP, aplicar a escala PERC (Pulmonary Embolism Rule-out Criteria, ou “Critérios para Descartar Embolia Pulmonar”). Se o paciente preencher todos os critérios dessa escala, não precisa realizar exames (nem D-dímero, nem tomografia);

Conselho 3: para pacientes com probabilidade moderada de TEP, ou algum critério ausente na escala PERC, deve ser feita uma dosagem sérica de D-dímero;

Conselho 4: o D-dímero é considerado positivo se maior que 500 ng/mL. Entretanto, o limite da normalidade deve ser ajustada para pacientes acima de 50 anos, multiplicando idade x 10 ng/mL para obter o limite para análise.

Conselho 5: se o paciente tiver um D-dímero abaixo do ponto de corte ajustado à idade, não é necessário realizar tomografia;

Conselho 6: para pacientes com probabilidade alta de TEP, ou com D-dímero acima do limite da normalidade, deve ser feita uma angiotomografia pulmonar (ATCP). Se o paciente tiver uma contraindicação para ATCP, realizar uma cintilografia ventilação-perfusão. Para pacientes de alta probabilidade de TEP, não é necessário fazer D-dímero antes da ATCP.

Referência

Patients With Suspected Acute Pulmonary Embolism: Best Practice Advice From the Clinical Guidelines Committee of the American College of Physicians. Ann Intern Med. [Epub ahead of print 29 September 2015] doi:10.7326/M14-1772.

Conheça o American College of Physicians em: https://www.acponline.org/

Leia mais:

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!