NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

Reconstrução da mama devolve autoestima e ajuda a evoluir tratamento

Reconstrução da mama devolve autoestima e ajuda a evoluir tratamento
0
(0)

Reconstrução da Mama pós Câncer

Se para algumas a cirurgia plástica nas mamas é apenas uma questão estética, para outras é a devolução da autoestima e até a comemoração de uma batalha vencida. O cirurgião plástico da capital paulista Dr. Francisco Alionis Neto, graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e especialista em Reconstrução Mamária pelo Hospital da Mulher- Pérola Byington São Paulo, fala que a reconstrução feita em casos de câncer de mama significa devolver à mulher seu maior símbolo de feminilidade. E, para muitas, é o que ajuda a evoluir no tratamento.

“Existem casos em que a plástica pode ser feita na fase inicial do tratamento ou junto da retirada do tumor – o que vai incentivar ainda mais a mulher durante o tratamento“, explica o médico.

“Triple Aim do IHI deve ser substituído pelo “Quadruple Aim”

Segurança do paciente reduz custos na assistência médica

Disclosure precisa integrar a cultura de segurança do paciente

Dr. Francisco ainda fala que nem sempre há necessidade das próteses de silicone. “A reconstrução pode ser feita sem a necessidade do silicone, mesmo quando há a retirada da mama toda. Fazemos um reposicionamento dos tecidos mamários, das gorduras do próprio corpo, da pele e dos músculos de outras regiões corporais”.

Parte Técnica

O Dr. Lucas Zambon do IBSP destaca que a reconstrução mamária é muitas vezes realizada imediatamente após a mastectomia. Fazendo dessa forma é possível reduzir custos, obter resultados estéticos superiores e benefícios psicossociais. A reconstrução imediata pode ser considerada em pacientes que são submetidas a mastectomia profilática, por carcinoma ductal in situ, ou para os cânceres de mama invasivos com menos de 5 cm de tamanho que tem linfonodos axilares negativos e/ou com uma biópsia do linfonodo sentinela negativo pré-mastectomia.

Existem basicamente duas modalidades de procedimentos reconstrutivos: com uso de próteses (expansores teciduais, implantes salinos, implantes de silicone) e usando tecidos autólogos, que envolve a transferência de um retalho de tecido a partir de uma área doadora para a parede torácica anterior. A escolha da opção de reconstrução depende de uma variedade de fatores, incluindo hábitos de vida, a presença de comorbidades como obesidade, diabetes e tabagismo, o tamanho da mama contralateral, antecedentes de cirurgias prévias na região, a qualidade da pele da parede torácica, e sem dúvida a escolha da paciente.  Em casos onde será realizada radioterapia pós-mastectomia, a reconstrução tardia pode ser considerada, e nesses casos é preferível utilizar tecido autólogo.

 

 

Saiba mais:

 

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!