NOTÍCIAS

Segurança do Paciente

São Paulo começa a fazer testes rápidos para detectar dengue

São Paulo começa a fazer testes rápidos para detectar dengue
0
(0)

A segurança do paciente é o principal motivo para que este teste seja realizado. Assim, pode-se fazer o tratamento correto, evitando agravamento e mortes da população infectada 

A rede pública municipal de saúde da cidade de São Paulo começa a fazer nesta segunda-feira (18/01) a fazer testes rápidos para a detecção de quatro sorotipos de dengue. O exame está disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da capital paulista até a primeira quinzena de março, período do pico de transmissão da doença.  Os resultados ficam prontos em 20 minutos.

A vantagem da técnica é a identificação da doença ainda na fase inicial da transmissão. Antes, o resultado do teste só ficava pronto em uma semana. O paciente terá o sangue coletado como num exame de sangue tradicional, não sendo necessário ficar em jejum. O teste poder ser feito por pessoas de todas as idades e não há contraindicação.

Estudo diz que médicos causam uso prolongado de antibiótico em casa de repouso

Onde nasce o problema da segurança do paciente?

Para confirmar o diagnóstico, o paciente pode ter de passar pelos exames Elisa IGM e NS1, também disponíveis da rede pública, mas que demoram uma semana para ficar prontos.

Planos de saúde

A partir deste mês, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que os planos de saúde passem também a cobrir os testes rápidos para detectar dengue e Febre Chikungunya. É possível obter ainda um diagnóstico presumido do vírus Zika. Segundo a ANS, o exame para detecção da dengue tem cobertura obrigatória.

Dengue clássica x hemorrágica

Para os profissionais de saúde, como o período é crítico, vale sempre prestar muita atenção no sintomas de alerta da dengue quando examinar seus pacientes.

Os sintomas se manifestam normalmente do 3º ao 14º dia após a picada do mosquito com o vírus, período chamado de incubação. Depois, os sintomas aparecem, e geralmente duram até 7 dias. “Na dengue hemorrágica, o quadro clínico pode se agravar rapidamente, levando a insuficiência circulatória e choque, podendo causar a morte do paciente em 12 a 24 horas”, sinaliza o Dr. Lucas Santos Zambon, supervisor da Disciplina de Emergências Clínicas do HC-FMUSP, assessor da Superintendência Médica do Hospital Samaritano de São Paulo e diretor-fundador do IBSP – Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Dengue Clássica

  • Febre alta (39° a 40°C) com início súbito
  • Cefaleia (dor de cabeça)
  • Dor retrorbitária (atrás dos olhos), que piora com o movimento deles
  • Mialgia (dor muscular)
  • Artralgia (dor articular)
  • Prostração e astenia
  • Rash cutâneo / exantema macular ou maculo-papular que pode estar associado a prurido (coceira)
  • Perda de apetite
  • Náuseas e vômitos
  • Tosse, dor de garganta e congestão nasal

Dengue Hemorrágica

Os sintomas da dengue hemorrágica (ou Febre Hemorrágica da Dengue) no início da doença são os mesmos da dengue comum. A diferença se concentra nos fenômenos hemorrágicos, que podem ser leves como petéquias e equimoses (manifestação cutânea) e sangramentos de mucosas (principalmente epistaxe – sangramento nasal).

Mas a grande diferença ocorre quando a febre começa a cair (normalmente para valores entre 37,5–38°C). Isso geralmente acontece entre o 3º e 7º dia de doença, quando pode se instalar uma fase crítica que dura de 24 a 48h. Nessa fase, que acomete uma menor parte dos pacientes, há extravasamento do plasma da corrente sanguínea para fora dos vasos. Pode então ocorrer a chamada síndrome do choque da dengue, que é a grande causa de morte. Essa síndrome é precedida de sinais de alerta que devem ser rapidamente reconhecidos pelos profissionais de saúde:

  • Dor abdominal intensa e contínua;
  • Vômitos persistentes;
  • Hipotensão postural e/ou lipotímia;
  • Hepatomegalia dolorosa;
  • Hemorragias importantes (hematêmese e/ou melena);
  • Sonolência e/ou irritabilidade;
  • Diminuição da diurese;
  • Diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia;
  • Aumento repentino do hematócrito;
  • Queda abrupta de plaquetas;
  • Desconforto respiratório

Saiba mais:

 

Avalie esse conteúdo

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Outros conteúdos do Acervo de Segurança do Paciente

Tudo
materiais-cientificos-icon-mini Materiais Científicos
noticias-icon Notícias
eventos-icon-2 Eventos

AVISO IMPORTANTE!

A partir do dia 1º de julho, todos os cursos do IBSP farão parte do IBSP Conecta, o primeiro streaming do Brasil dedicado à qualidade e segurança do paciente.

NÃO PERCA ESSA OPORTUNIDADE E CONHEÇA AGORA MESMO O IBSP CONECTA!